BodyThinking

Como este curso aprimora suas habilidades de ensino

 

BodyThinking - Como este curso aprimora suas habilidades de ensino

 

"Seu próprio corpo é um fantasma, um que seu cérebro construiu por pura conveniência."

 V.S. Ramachandran

V.S. Ramachandran foi o primeiro médico a amputar com sucesso um braço inexistente. Materialmente, o braço que ele amputou não existia; experiencialmente, ele existia. Depois da batalha de Gettysburg na Guerra Civil Americana, Silas Weir Mitchell notou pela primeira vez que muitos dos soldados cujos braços e pernas haviam sido amputados reclamavam de dores nesses membros ausentes.

Mitchell foi o primeiro a cunhar o termo "membro fantasma” que é usado até hoje.

No entanto, Ramachandran foi o primeiro a demonstrar com sucesso que a "imagem" que o cérebro tem do braço existe separadamente do seu braço "material". Nos movimentos cotidianos - por incrível que pareça - a verdade é que você não experiencia seu membro real, você experiencia a imagem projetada que tem dele. 

Esta é a razão de ser do BodyThinking: como você concebe é como você se move.

Para os professores da Descoberta de Alexander, as implicações disso são de dar nó na mente. E de longo alcance em termos de nossas tecnologias de ensino. O mal entendimento disto levou a muitas bobagens em nossa Profissão, e a origem disso está claramente nele próprio, o bom e velho Alexander.

Aqui está uma breve explicação dos conceitos por trás do BodyThinking Online ...

***

O conceito e experiência ilusórios que você tem de seus membros são projetados para seus membros reais. Leia essa frase novamente, é desnorteante. Independente de quão impreciso você é, você ainda tentará mover o seu braço da maneira que você acredita que funciona, não da maneira como o seu braço realmente funciona.

Imagens superam a realidade, mas só toda vez.

Este insight neurocientífico é a base do curso BodyThinking Online do BodyChance. Neste programa, você fará uma renovação sistemática de suas imagens de movimento. Parece um curso de anatomia - porque você deve percorrer todos os ossos, músculos e articulações para chegar à precisão dessas imagens.

Mesmo se você não tiver imprecisões, você precisa entender para vê-las, compreendê-las e corrigi-las nos outros.

No programa BodyThinking Online, seu primeiro passo é alinhar suas imagens à verdade da sua estrutura de movimento. Nós já estamos tão confusos e cheios de bobagens que precisamos começar com o que é sabido estar realmente lá. É por isso que eu não sou um grande fã de metáforas de movimento: cachoeiras, cabeças flutuantes e essas coisas.

Quando foi a última vez que você viu um fio saindo do topo da cabeça de alguém?

Melhor começar pelos fatos, a verdade - tem tempo de sobra para ser "artístico" depois. Felizmente, há séculos os anatomistas nos dão informações mais verdadeiras sobre como os humanos se movem - esse trabalho está basicamente pronto. E você encontra essa informação no BodyThinking Online.

Porém, é apenas uma aproximação - você ainda tem seu próprio trabalho a fazer. Nenhuma pessoa tem uma estrutura idêntica à outra pessoa. Eu diria que pelo menos 20% das pessoas têm números diferentes de ossos e músculos em relação à maioria. Certamente a ADM (Amplitude de Movimento) difere de pessoa para pessoa, dependendo da estrutura individual.

Bailarinos têm possibilidades diferentes em suas articulações do quadril, por exemplo - flexibilidade muitas vezes é apenas um pouco de boa sorte genética. Você se sente seguro para dizer isso a uma bailarina?

Alexander fez um grande desserviço ao seu próprio trabalho quando desencorajou essa exploração de imagens anatômicas, simplesmente porque os próprios anatomistas não se beneficiaram desta informação.

É claro que os anatomistas não entenderam - eles precisavam do trabalho de Alexander para se beneficiar!

Alexander não percebeu que essa informação dos anatomistas, combinada com sua descoberta da primazia da influência cabeça/espinha na coordenação, poderia se tornar altamente eficaz e benéfica, para além da contribuição do próprio Alexander.

No BodyThinking Online, você perceberá como esse conhecimento anatômico funcional pode amplificar e acelerar sua capacidade de ajudar os outros.

Ainda há professores em nossa profissão de Alexander vivamente orgulhosos de sua ignorância a esse respeito. Os pecados do pai e esse tipo de coisas... Francamente, não há nada do que se orgulhar: a sensibilidade cinestésica e os conceitos sutis de percepção precisam urgentemente estar ligados a uma renovação sistemática de nossa auto-imagem de movimento.

A descoberta de Alexander sobre a influência da cabeça/espinha no movimento é um conceito fundamental que organiza este processo de renovação com muito sucesso.

Como somos projetados, como movemos, isso é uma atividade mental baseada no cérebro. Você pode ser paraplégico e ainda correr pela rua mentalmente. O dissidente soviético Anatoly Sharansky sobreviveu a 400 dias de confinamento solitário em uma cela congelante de 1,5m x 1,8m jogando xadrez contra si mesmo mentalmente.

Em sua extraordinária experiência com pianistas iniciantes - que foi destacada no primeiro Congresso de Técnica Alexander em Lugano - Pascual-Leone demonstrou como imaginar o estudo ao piano pode aumentar significativamente sua capacidade de tocar piano. Tudo sem chegar perto do instrumento!

Fundamentalmente, nosso cérebro não é muito bom em saber a diferença entre o real e o imaginado. Por quê? É por isso que eu citei Ramachandran acima... 

Todos os nossos movimentos são cognitivamente projetados (imaginados?) - mesmo os reais. Braços amputados, lembra?

Alexander também se observou na parte II do livro A Suprema Herança do Homem quando ele (anonimamente) mencionou "uma pessoa" (era ele mesmo) que aprendeu a andar de bicicleta simplesmente estudando/imaginando primeiro:

"Eu tenho conhecimento pessoal de um indivíduo que, empregando os princípios de controle consciente que defendo, subiu em uma bicicleta e a pedalou em descida sem contratempos na primeira tentativa, e no segundo dia percorreu 30 milhas na ida e 30 milhas na volta em meio ao trânsito normal.“

Por que, ah, por que Alexander não fez a conexão? Será para sempre um mistério.

Quando você faz esse mesmo processo da bicicleta, imaginando movimentos precisos de todos os tipos, você facilita restabelecer sua coordenação até uma maneira que coopere com o seu design. Talvez você queira reler isto - é o tipo de aula que você pode dar depois de estudar o BodyThinking Online.

Ao invés de precisão, temos absurdos anatômicos como: "as costas indo pra trás”, ou “abrir (o peito) entre os braços“ ou “expandir na parte da frente". Esses conceitos se baseiam quase totalmente na obtenção de uma certa sensação, já que anatomicamente são impossíveis de explicar.

Você consegue explicar o significado anatômico de "as costas indo para trás"?

Você tem que usar ginástica mental criativa para alinhar essas mensagens com o real sistema de movimento funcional que possui. O resultado são estudantes introduzindo adições estranhas e sutis que convencem seus cérebros de que cumpriram essa espúria conceituação do movimento humano que o professor está incentivando.

É tudo sobre sentir, não pensar. Precisa de “mãos à obra" para fazer sentido. As pessoas usam essas "sensações" para ajustar seus planos de coordenação, até "sentir" que satisfazem a idéia de que "suas costas estão indo para trás".

É por esta razão que muitas vezes em um Congresso de Técnica Alexander é fácil identificar com quem um professor treinou.

A primeira tarefa de qualquer estudante da descoberta de Alexander - querer ajudar a Si Mesmo e os outros - é reconstruir sistematicamente a imagem que o cérebro tem do movimento.

Isso é sobre “bodythinking" (o pensamento do corpo) e não “bodyfeeling" (a sensação do corpo) e é melhor que o seu "pensamento" seja mais preciso.

Como isso pode ser feito?

Assim como na construção de uma casa, você começa com a estrutura - seus ossos; depois como eles se conectam - suas articulações; aí como eles são movidos - seus músculos; e finalmente quais são as amplitudes de movimento que têm. Isto é o que você estudará no BodyThinking Online.

Depois disso você estará equipado para analisar todos os diversos tipos de movimentos.

Sentar e levantar de uma cadeira é bom, e existem literalmente milhares de movimentos alternativos para estudar somados à esse. No ATSuccess nós encorajamos os professores a encontrar uma comunidade de pessoas que amam uma atividade específica, para então se especializar em ajudar as pessoas nessa atividade.

Seja com músicos, esportistas, dançarinos, pessoas que têm um hobby específico ou funcionários de escritório - seu trabalho não é limitado, é expandido. Você ajuda uma comunidade a mudar seu comportamento de maneiras construtivas. E você faz isso com base na precisão do seu conhecimento.

Se você vai gastar centenas de horas adicionais de sua vida deitado na semi-supina, sugiro começar a usar esse tempo ainda mais construtivamente, gerando imagens precisas do seu movimento. BodyThinking Online fornece muita informação assim!

E você pode fazer isso enquanto ainda está deitado na semi-supina - apenas comece praticando mentalmente a localização de todas as suas articulações. Você pode até imaginar sentar e levantar de uma cadeira como os músicos imaginaram tocar piano. Isso ajuda mesmo.

Então progrida para outros movimentos, o tempo todo imaginando a relação cabeça/espinha que serve de forma mais eficiente ao seu movimento específico imaginado. As possibilidades são infinitas.

É claro que o toque é uma poderosa ferramenta de aprendizado para descobrir novas informações. O BodyThinking NÃO substitui o toque, pelo contrário, o melhora. Como? Com seu novo conhecimento, você pode varrer da mente de seus alunos o lixo que obstrui sua capacidade de se comunicar com eficiência através do toque.

Seu toque "melhora" devido ao aumento de "clareza" de seu aluno.

Aqui está um exemplo do uso de informações do BodyThinking para ajudá-lo a ensinar um grupo grande de iniciantes…

Eu descobri que...

  1. Simplesmente mapear a localização do cérebro (acima dos olhos e ouvidos); em seguida
  2. Relembrar o peso maciço dele (5 quilos quando você inclui ossos, tecidos e órgãos); e finalmente
  3. Direcionar as pessoas a pensar em mover esse cérebro imaginado enquanto olham ao redor da sala…

...levou ao mesmo tipo de reorganização agradável da musculatura da cabeça/espinha que normalmente você esperaria apenas em uma sessão do tipo “toque de Alexander”.

Eu ainda me comunico usando o toque - o tempo todo - é uma das muitas ferramentas que uso. O uso de imagens anatômicas precisas é outra. Dessa maneira, você pode tornar seu toque mais eficaz. Você precisa de menos tempo com cada aluno até que ocorra uma mudança no seu movimento.

É assim que o BodyThinking enquanto ferramenta pode ajudá-lo a ensinar com sucesso a descoberta de Alexander para grupos maiores de pessoas.

Também é possivelmente mais duradouro: a pessoa ganhou uma prática de construção de habilidades para continuar em casa. Quantos alunos perguntaram:

"O que eu faço para praticar isso?"

Bem, agora você tem uma resposta alternativa para substituir a tradicional "Pratique a semi-supina”. Ao invés disso, você pode dizer: "Pratique mover seu cérebro pelo espaço."

O maravilhoso de aprender a verdade sobre sua estrutura móvel é quão prontamente esta informação está disponível. Esta não é uma abordagem ao aprendizado "exclusivamente pelo toque" - ela escala maravilhosamente bem a grandes grupos de pessoas e para completar é baseada em neurociência sólida!

Para colocar isso em uma perspectiva de marketing - o que eu sempre faço - se você fosse um estudante, o que você preferiria ter?

A.Uma experiência realmente deliciosa, mas cara - que envolveria gastar muito do seu tempo e recursos financeiros?

ou

B. Uma experiência mais suave e ainda sim uma agradável surpresa - uma que é instantaneamente replicável a qualquer momento, mesmo enquanto faz qualquer outra coisa?

Eu escolheria o B e economizaria meu tempo e dinheiro para umas férias na Itália, assim como fariam muitos estudantes.

Estudantes não se importam com o quanto você sabe, eles querem saber o quanto você se importa.

Você pode ajudá-los transmitindo informações que proporcionem melhor entendimento das imagens mentais que eles têm dos próprios movimentos. BodyThinking fornece essas ferramentas.

Levar as pessoas a sentar e levantar de cadeiras funciona para aprender - eu sei, eu mesmo fiz isso assim por 10 anos. É que hoje eu consigo ver com clareza as limitações inerentes à essa abordagem. Existem tantas outras atividades humanas clamando por sua sabedoria e precisando de sua própria clareza na capacidade de analisar o que está acontecendo nesses diferentes movimentos.

BodyThinking é a ferramenta que te auxilia a ser capaz de ajudar alunos em todos os tipos de atividades. Oferece uma rica prosa de conhecimento que você pode transmitir a grandes grupos e finalmente - talvez para sua própria surpresa - isso vai aclarar idéias erradas que você ainda possa carregar sobre o seu próprio sistema de movimento.

O trabalho de Alexander não precisa ser exclusivo a apenas um seleto grupo de pessoas no nosso planeta que pode se dar ao luxo de ser tocado de forma especial durante 30 minutos por outro ser humano altamente treinado (que na maioria das vezes nem está ganhando tão bem assim)…

A visão do BodyChance é que a descoberta de Alexander seja acessível a todos no planeta de um jeito ou de outro.

Isso pode ser conseguido tanto por meio de nichos quanto de escalas no nosso trabalho: baseado em um pouco de neurociência moderna, com um pouco de compaixão por nossos alunos e algo de senso comum de marketing e desenvolvimento de negócios.

Eu projetei um curso que eu queria estudar - de fato, o modo como eu aprendi foi insistindo em construí-lo para meus aprendizes. Agora está completo, e você também pode se beneficiar do aprofundamento de sua capacidade de ver, entender e analisar movimentos.

Você pode começar com o primeiro módulo - Cabeça e Eixo - e seguir com os outros como desejar.

Tem interesse nesse curso?

O BodyThinking faz parte do curso de Formação em Consciência Corporal para Músicos. Para maiores informações entre em contato por email ccpm@elenivosniadou.com ou pelo site

Close

50% Complete

Two Step

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.